Topo
24 de May de 2018
Barracões clandestinos mantêm escravos do lixo reciclável

Barracões clandestinos mantêm escravos do lixo reciclável

Os materiais recicláveis se amontoam, abarrotando um dos barracões que servem de depósito, em uma viela da Vila das Torres, em Curitiba. À beira das pilhas de papelão, sucata e vidro, se espremem oito cômodos de madeira que compõem uma espécie de cortiço. Em cada quarto, vive uma família de catadores – todos relegados a uma condição análoga à escravidão. São vítimas de um esquema no qual, em troca do empréstimo do carrinho e do aluguel do quarto, se obrigam a vender ao dono do barracão tudo o que catam, mas por preços bem menores do praticado no mercado. Encontram-se presos a essa dinâmica de exploração.

Não se trata de um caso isolado. A Gazeta do Povoteve acesso a três depósitos de materiais recicláveis. Todos mantinham catadores atrelados por meio do aluguel de quartos diminutos – chamados “peças” – e do fornecimento de carrinhos. A partir de entrevistas com catadores, a reportagem identificou mais de uma dezena de barracões que funcionam a partir dos “escravos”, em diversos bairros.

Enquanto o setor de reciclagem movimenta R$ 12 bilhões por ano no Brasil, esses trabalhadores vivem na miséria. Em média, recolhem 300 quilos de recicláveis por dia, pelos quais recebem entre R$ 30 e R$ 60 (dependendo do tipo do material). Registro em carteira e outros direitos básicos não passam de sonho. Por sua vez, os barracões chegam a vender o volume trazido pelos catadores pelo dobro do preço. Funcionam como atravessadores, que se mantêm a partir dessa modalidade de exploração. Permanecem na clandestinidade, sem registros ambientais ou vistorias.

“Presos”


A filha de Anderson* e Aline*, ambos com 21 anos, acabou de completar um ano de idade, mas seu mundo se restringe aos muros do depósito onde a família vive. Todos os dias, o rapaz percorre mais de 20 quilômetros para “puxar papelão”. A esposa fica cuidando da criança na “peça” que ocupam, alugada por R$ 60 por semana. Trata-se de um cômodo que não chega a dez metros quadrados, onde um pedaço de espuma suja serve de colchão.

“Eu me sinto como um cavalo, mas ‘tô ‘amarrado’ por causa do aluguel. Eu ‘tô preso ao lixo (...) Eu queria outro lugar, [em] que pudesse puxar papel e não sofresse tanto”, diz o rapaz, que de segunda a sábado sai para fazer a coleta, faça chuva, faça sol. “Se não for pra rua, o homem [dono do barracão] cobra, fica bravo, faz pressão. E tem que voltar sempre com o carrinho cheio. Não tem conversa”, acrescenta.

Há um ano e meio, José Marcos*, de 53 anos, está vinculado a um mesmo barracão. Vende o papelão que coleta a R$ 0,17 o quilo, que é repassado pelo “chefe” por R$ 0,30 a uma empresa de reciclagem. Na avaliação dele, a falta do instrumento de trabalho e de um local onde possa separar os materiais o impede de se libertar do esquema. “Eu fico preso ao dono [do barracão]. Se não tivesse, poderia escolher quem tivesse melhor preço. Infelizmente, eu ‘tô sujeito a isso”, lamenta.

 

Famílias dividem depósitos com lixo, bichos e doenças

Antes de dormir, Roberto* fecha bem a porta do cômodo que divide com a esposa, em um galpão de recicláveis, na periferia de Curitiba. Tenta vedar as frestas com panos e pedaços de madeira. Espera impedir, com isso, que os ratos entrem na “peça”. A preocupação tem justificativa: há dois meses, ele passou 22 dias hospitalizado por ter contraído leptospirose. Com a internação, as dívidas apertaram. “Eu tive que pedir alta antes, porque a dona do barracão ‘tava apertando a minha mulher. O aluguel atrasou. Aí foi dívida”, disse.

A preocupação com os ratos e insetos que proliferam nos barracões é recorrente. Em geral, os materiais permanecem empilhados – em alguns casos, ao relento – muito próximo dos cortiços. Cães abandonados vasculham os depósitos em busca de alimento quase todos os dias. Há ainda o temor de contrair doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, como a dengue e a zika. “Rato tem por todo lado. À noite dá até medo de sair da ‘peça’. A sorte é que a dengue ainda não chegou”, diz Dirceu*, de 53 anos.

Acomodações


Os galpões visitados pela reportagem tinham apenas um banheiro coletivo, que se restringia a um chuveiro e um vaso sanitário. Sem azulejos, as paredes estavam impregnadas de bolor e um cheiro forte pesava sobre o ambiente. Também só há um tanque, onde os catadores têm que se revezar, caso queiram lavar roupa.

Em alguns cômodos, um fogão divide espaço com a cama ou outros pequenos móveis. Outros moradores, como Dirceu*, cozinham em uma fogueira acesa no chão. “A gente come o que tem. Graças a Deus, tem muita gente que olha pela gente, que dá uma sopa, um prato de comida. Senão ia ser pior”, disse.

 

*Os nomes foram substituídos para proteger os trabalhadores

 

Barracões clandestinos mantêm escravos do lixo reciclável
Barracões clandestinos mantêm escravos do lixo reciclável
Barracões clandestinos mantêm escravos do lixo reciclável

Fonte: Gazeta Do Povo

Tags


Compartilhe

Google+