Topo
22 de June de 2018
Paranaenses ficaram mais endividados em novembro, diz pesquisa

Paranaenses ficaram mais endividados em novembro, diz pesquisa

A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) apontou que 89,1% das famílias paranaenses estavam endividadas em novembro. O índice teve um aumento na comparação com o mês de outubro, quando era de 87,5%. Conforme a pesquisa, divulgada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR) nesta quinta-feira (7), a média nacional ficou em 62,2%.


É considerado endividamento os financiamentos e outros tipos de dívidas a longo prazo. No Paraná, o endividamento é um pouco maior as famílias de maior poder aquisitivo, com 89,9%, ante 88,9% entre as famílias de menor renda.


Conforme a pesquisa, apesar da alta no percentual de famílias endividadas, a proporção daquelas com dívidas ou contas em atraso diminuiu, passando de 29,1% em outubro para 26,5% em novembro.


Entre os consumidores das classes A e B, 13,1% possuem contas em atraso, contra 29,3% nas classes C, D e E. A parcela de famílias que não conseguirão pagar suas contas também é menor entre aqueles com renda acima de 10 salários mínimos (4,8%). Já entre as famílias com renda abaixo desse patamar, 11,1% admitem que não terão condições de pagar seus débitos financeiros.


Ainda de acordo com levantamento, pelo fato de terem uma renda maior, nas classes A e B a inadimplência, que é o atraso no pagamento acima de 90 dias também é menor e atinge 18,2% das famílias, ante 48,4% nas classes com renda inferior. A pesquisa mostra ainda que 19,9% das famílias mais abastadas comprometem mais da metade da renda total com dívidas.


Cartão de crédito


O cartão de crédito representou 72,8% dos motivos de endividamento em novembro. Houve uma pequena elevação em comparação ao mês anterior, quando o cartão de crédito representava 69,8% do motivo das dívidas das famílias paranaenses. O cartão de crédito chegou a 84,8% do motivo das dívidas das famílias de maior renda no mês passado.


O financiamento imobiliário foi um dos indicadores responsáveis pelo aumento no número de famílias endividadas, visto que até o mês de julho essa modalidade de crédito correspondia a 8,3% dos endividamentos e subiu para 8,9% em novembro. Já o financiamento de veículos foi de 8,6%.


Fonte: Massa News

Tags


Compartilhe

Google+