Topo
20 de November de 2017
Se eu morrer, quem paga minhas dívidas?

Se eu morrer, quem paga minhas dívidas?

Ao contrário do que muitos possam pensar, dívidas não se extinguem com a morte do devedor – o que não quer dizer que os herdeiros precisem colocar a mão no bolso


Hoje, 41% da população com mais de 18 anos no Brasil está inadimplente, segundo dados do Serasa Experian. Ou seja, 60 milhões de brasileiros têm contas em atraso. Mas o que acontece com as dívidas se o devedor morre?


Apesar do sofrimento causado pela perda de um parente, as questões burocráticas decorrentes da morte não podem ser deixadas de lado. Nesse sentido, é importante saber que os herdeiros têm a obrigação de quitar as dívidas deixadas pelo falecido. A “herança de dívida”, contudo, tem limites, pois o herdeiro nunca vai precisar mexer no próprio bolso para pagar as contas do falecido (“de cujus”, no Direito). Ficou confuso? Não é difícil entender.


Advogado especializado em direito civil, Leopoldo Santana Luz explica que assim que a pessoa morre inicia-se, automaticamente, o espólio. A figura nada mais é que um conjunto de bens, direitos e obrigações do falecido, como se fosse uma “empresa” com patrimônio próprio, muito porque os deveres de uma pessoa não acabam, simplesmente, após a morte. Se a pessoa tem dívidas, é o espólio que vai responder por elas.


E, por mais que os herdeiros façam a gestão do espólio, como se fossem “sócios”, eles ainda não possuem total direito sobre os bens deixados. Isso só acontece no momento da partilha, que extingue o espólio e é realizada ao final do processo de inventário. O inventário é a relação do patrimônio do falecido. A divisão do patrimônio, aliás, só pode ser feita após o pagamento de todos os credores daquele que morreu, sendo necessário, na petição inicial de inventário, declarar não somente os bens do de cujus, mas as dívidas e demais obrigações deixadas.


Santana Luz salienta, porém, que o pagamento deve respeitar o limite do espólio, conforme prevê o Código Civil. Por exemplo, se o patrimônio deixado foi de R$ 500 mil e havia R$ 300 mil em dívidas, o valor da conta será retirado diretamente do espólio e os R$ 200 mil restantes serão divididos entre os herdeiros. Agora, se o valor em dívidas for superior ao patrimônio deixado pelo falecido, quem sairá no prejuízo são os credores, pois não é possível fazer partilha de dívida.


“Enquanto o espólio for positivo em termos de bens, as dívidas devem ser honradas. Se chegou a um estado de iliquidez – ou seja, gastou tudo –, o espólio é considerado insolvente, e essa insolvência não alcança os herdeiros”, explica o advogado.


Mas, como o direito não é uma ciência exata, existem situações excepcionais em que uma dívida poderia ser cobrada diretamente dos herdeiros, após a partilha. Por mais que os juízes tomem o cuidado de realizar a partilha somente quando não há mais dívida, é possível que após a distribuição dos bens apareça um credor do falecido que não era conhecido dos herdeiros. Aqui, o credor pode se voltar contra os herdeiros na cobrança da conta.


Como o espólio paga as dívidas? 


É o gestor do espólio que vai realizar o pagamento das dívidas do falecido. Trata-se do inventariante, herdeiro nomeado para administrar os bens da herança. E essa gestão não pode ser feita de “qualquer jeito”, uma vez que os outros herdeiros, caso o inventariante não cumpra com todas as suas obrigações, podem responsabilizá-lo em uma ação própria. Isso porque o inventariante é responsável civil e criminalmente por todas as declarações que disser.


Para que não corram juros, o inventariante deve pagar as dívidas do falecido antes mesmo de concluído o processo de inventário, na ordem do vencimento. Para tanto, é preciso conseguir uma autorização do juiz, após ser ouvido pelo Ministério Público.


“O inventariante deve pedir uma autorização antecipadamente e prestar explicações [à Justiça e aos outros herdeiros]. Cabe ao juiz deferir um alvará para que o herdeiro retire o dinheiro ou venda um bem visando ao pagamento do credor, após constatar que a situação não é contrária à lei, tampouco prejudica os outros herdeiros ou terceiros”, esclarece Santana Luz.


Dívidas que se extinguem com a morte 


É possível, contudo, que algumas dívidas se extingam com a morte do devedor, desde que haja previsão em contrato. O advogado conta que isso é muito comum nos financiamentos de imóveis, pois geralmente envolvem um seguro, que pagará o órgão de financiamento no caso de morte do comprador. Nesse caso, o imóvel será quitado automaticamente e poderá entrar na partilha de bens.


Em relação ao empréstimo consignado, aquele cujas parcelas são deduzidas diretamente da folha de pagamento, a jurisprudência entende que também se extingue com a morte do mutuário. Muito porque os juízes consideram que se mantém em vigor o que previa a Lei 1.046/50, já que a legislação mais recente que trata do crédito consignado, a Lei n. 10.820/03, não regulou a hipótese de falecimento daquele que recebe o empréstimo.Conheça a lei


Código Civil 


Art. 1.792. O herdeiro não responde por encargos superiores às forças da herança; incumbe-lhe, porém, a prova do excesso, salvo se houver inventário que a escuse, demonstrado o valor dos bens herdados. 


Lei n. 1.046/50 


Art. 16. Ocorrido o falecimento do consignante, ficará extinta a dívida do empréstimo feito mediante simples garantia da consignação em folha.


Fonte: Gazeta Do Povo

Tags


Compartilhe

Google+