Topo
19 de June de 2018
Serranópolis: família acolhedora, um gesto de amor

Serranópolis: família acolhedora, um gesto de amor

O município de Serranópolis do Iguaçu está se preparando para a implantação do Programa Família Acolhedora. A iniciativa é do Poder Público Municipal e através da Secretaria de Assistência Social está se adequando para isso. O primeiro passo foi a busca de informações sobre o assunto e à partir daí iniciar todo procedimento legal.

Para a Secretária de Assistência Social, Roseli Adriana Sehn, a expectativa é que o programa já esteja implantado neste ano. “Estamos iniciando o procedimento legal, como por exemplo a formalização de uma Lei Municipal para que possamos efetivamente implantar o programa no município. Ainda neste ano deveremos ter o programa implantado”, fala Rose.

O programa consiste em cadastrar e capacitar famílias da comunidade para receberem em suas casas, crianças, adolescentes ou grupos de irmãos em situação de risco pessoal e social, por um período determinado, dando-lhes acolhida, amparo, aceitação, amor e a possibilidade de convivência familiar e comunitária. A família de acolhimento representa a possibilidade de continuidade da uma boa convivência em ambiente sadio para a criança ou adolescente.

De acordo com a Psicóloga, Michelly Fernanda Morás, o papel da família é fundamental, pois “a criança e o adolescente em situação de acolhimento chegam para o acompanhamento com um histórico de vida peculiar e com muitos percalços. Neste momento, a Família Acolhedora é o procedimento mais indicado, já que os vínculos afetivos com as figuras parentais é extremamente importante para o desenvolvimento infantil saudável”, cita Michelly.

Ainda segundo a Psicóloga, se comparado com um abrigo, o papel da Família Acolhedora é mais positivo. “A criança que é retirada da família em situações comprovadas de abandono, violência doméstica ou desarranjo familiar, mesmo que momentâneo, vai conviver com outro lar, ao invés de ir para um abrigo, e mesmo sendo uma situação transitória, o efeito é positivo já que ela deve aprender a se relacionar, fazer vínculo e ser humanizada. É inevitável dizer que o acolhimento é uma perda para os dois lados, criança e/ou família, porém por meio do acolhimento familiar é possível dizer que se trata de “perder para ganhar”, conclui Michelly.

Toda a família acolhedora recebe, por um período determinado, uma ajuda de custo de um salário mínimo por mês. A maioria das crianças e adolescentes que participam do programa retornam aos seus lares após um período de acolhimento em lar substituto.

Cada família deverá acolher uma criança/adolescente por vez, exceto quando se tratar de grupo de irmãos é que este número poderá ser ampliado.

Casais, mulheres e homens solteiros podem ser acolhedores. As famílias são selecionadas, capacitadas e acompanhadas pela equipe técnica do Serviço de Acolhimento.

Para o cadastro de famílias ou indivíduos no Programa Família Acolhedora são verificados os seguintes critérios:

1) Disponibilidade afetiva;

2) Ter idade mínima de 25 anos;

3) Estar em boas condições de saúde física e mental;

4) Não possuir antecedentes criminais;

5) Possuir situação financeira estável;

6) Possuir uma convivência familiar estável e livre de pessoas dependentes de substâncias entorpecentes.

Fonte: Prefeitura de Serranópolis do Iguaçu

Tags


Compartilhe

Google+